História em Quadrinhos

Batman – Earth One com spoilers

Acredito que para um escritor de histórias em quadrinhos, uma das maiores dificuldades seja contar uma história de origem – que já foi contada outras dezenas de vezes – de forma interessante. E mais ainda: re-contar uma história tão bem que não seja ofuscada por um abordagem clássica de origem. E isto aconteceu com Geoff Johns, como escritor, e Gary Frank , como ilustrador em Batman: Earth One. A sombra dessa HQ, no caso, foi a clássica – e suspeito perfeita como história de origem – Batman: Year One, de Frank Miller e David Mazzucchelli. Embora Batman: Earth One se trate de uma história de origem de um Batman de uma das Terras Paralelas da DC Comics, ainda assim a dificuldade existia para Johns e Gary Frank. E, acredito, parte dessa dificuldade se devia a inabilidade de Geoff Johns em escrever o personagem Batman. Para quem conhece o trabalho do autor, há – de forma disseminada entre seus leitores e leitoras – a percepção de que Johns “não sabe escrever o Batman”. E, até essa edição especial “Batman: Earth One”, fazia parte daqueles e daquelas que consideram Batman um personagem quase impossível para Geoff Johns. Como disse, ATÉ essa edição especial.

Batman: Earth One retrata uma origem muito diferenciada daquela que DCnautas de plantão estão habituad@s. Tudo está lá: a morte de Thomas e Martha Wayne, Alfred, James Gordon e, claro, Bruce Wayne. Mas acredite, tudo está lá, mas ao mesmo tempo, tudo soa e é diferente. Alfred Pennyworth é o personagem – remodelado – mais interessante de tod@s. Diferente do “mordomo” tradicional, Alfred em Batman: Earth One é um ex-operativo militar e amigo pessoal de Thomas Wayne. E por falar em Thomas Wayne, nessa Terra 1, ele é retratado nessa origem como um idealista médico e candidato a Prefeito de Gotham. Martha Wayne, ou melhor, Martha Arkham Wayne é sua esposa e coordenadora da campanha eleitoral de seu companheiro. E quanto a Bruce Wayne? Bom, Bruce Wayne é retratado como um garoto fresco e cheio de regalias, ou seja, o menino mimado, filho único, que exige tudo para si.  E, de certa forma, esse seu comportamento possibilita que seus pais sejam assassinados – mantendo a tradicional “ida ao cinema”. E, assim, a tragédia se consuma. É claro que há uma motivação para os assassinatos dos Wayne e Johns, em minha opinião, costura muito bem essa motivação com a razão de existir Batman – o que, de forma bem marginal, me fez lembrar da origem do Batman no filme do Tim Burton, mas o paralelo para aí.

Retornamos a Alfred. Com a morte dos Wayne, ele se torna o guardião oficial de Bruce Wayne, algo que o surpreende, embora seja dito na HQ que ele fora casado e tinha uma filha. Mas Alfred precisou assumir a guarda de Bruce Wayne, porque do contrário, ele seria enviado a um orfanato. Alfred assume e, desta forma, possibilita a Bruce Wayne se tornar Batman. Como assim? Nesta HQ de realidade alternativa, Alfred treina Bruce Wayne, o arrogante Bruce Wayne, outro ponto interessante é a forma como Bruce Wayne se inspira para o uniforme do Cavaleiro das Trevas. 

Batman – Earth One nos traz uma interessante releitura de James Gordon, aqui um policial que perdeu a esposa e precisa cuidar de sua filha, Barbara Gordon. E, pela perda da esposa (um assassinato, em sua opinião), James Gordon nos é apresentado da forma oposta a qual nos habituamos: não o policial honesto que enfrenta os corruptos e corruptores nas ruas e na polícia, mas alguém acuado, passivo diante da criminalidade. E quem reforça esse aspecto é Harvey Bullock, um idealista que, na trama, até o final da história, difere do tradicional Harvey Bullock das HQ’s do Batman: mas há um motivo e é profundamente angustiante. E outra releitura interessante coube ao Pinguim, ou melhor, o Prefeito Oswald Cobblepot, o papel de vilão na HQ, ao lado, claro, de um personagem novo, um serial killer, criado por Johns e Frank para essa revista.  

Os caminhos de todos se cruzam sob a Mansão Arkham (muito interessante a forma como Johns vinculou a loucura dos Arkham ao metodismo dos Wayne), ainda que sob socos e enfrentamentos entre Batman e a polícia e justamente por causa do serial killer – ainda que o acerto de contas de Batman com o Pinguim seja muito interessante, especialmente pelo elemento surpresa – temos “de volta” o James Gordon honesto, que emerge como lava de um vulcão, ao lado de um Batman galgando experiencia e sofrendo e muito para enfrentar o serial killer – neste ponto, Harvey Bullock já presenciou o horror que o marcou para sempre.

Batman – Earth One terminou como começou: contando uma história relativamente simples de origem, mas com mérito criativo. E ganchos ótimos para uma continuação e, talvez, até permitindo pensar num reboot do Batman, após a Trilogia Batman – o cavaleiro das trevas de Christopher Nolan. Para baixar a HQ Batman – Earth One clique aqui e boa leitura e diversão. Agradecimentos ao pessoal do Tropa BR – Renegados pela tradução e diagramação.  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s