História em Quadrinhos

John Constantine e o DC New 52: a mesma escrotice de sempre?

Quando anunciaram no Bleeding Cool e no Omelete que John Constantine seria reincorporado ao Universo DC quase tive um tilt. A razão era muito simples para essa pane que Calvin (de Calvin & Haroldo) tanto buscou evitar: não via sentido na reincorporação de um personagem tão canalha e escroto, perfeito anti-herói, a um universo de colantes vermelhos, anéis coloridos e capas esvoaçantes. John Constantine representava o “lado sujo” da DC perfeitamente espacializado na Vertigo, com uma revista própria, histórias pesadas que não comportariam a um público não-apreciador de metáforas mágicas, sujas e imersas nas mais perfeitas escrotices da vida na rua, a rua real mesmo, onde você pode tomar um porre, transar loucamente e depois levar um pé na bunda ou pegar aquela grana emprestada com um demônio e enrolar pra pagar e, no fim das contas, ainda deixar o infeliz te devendo alguns favores. É esse tipo de história que John Constantine vive. Ou ao menos vivia.

Durante o reboot da DC, chamado “DC New 52”, John Constantine foi devidamente reincorporado ao Universo DC (antes já havia sido apresentado em “O dia mais Claro”, mas o que conta mesmo foi o pós DC New 52), interagindo especialmente na “Liga da Justiça Sombria” com outros personagens como Zatanna, Deadman, Shade, Madame Xanadu, etc. Como disse antes, fiquei muito cabreiro com a decisão editorial da DC de reincorporar Constantine, mas a lógica de Dan Didio e  Jim Lee mantinha seus pés na realidade da DC e com uma justificativa plausível porque baseada na história das histórias em quadrinhos da própria DC: John Constantine, antes da criação do selo Vertigo, interagia com personagens superheroísticos da DC. Ele até mesmo se encontra – brevemente – em Crise nas Infinitas Terras (e não há nerd DCnauta que possa renegar essa informação). Ok! Realmente Constantine interagia com outros personagens, mas isso foi passado e quem vive de passado é museu.

Depende.

E esse “depende” é relativo a ideia de que John Constantine é propriedade da DC e, no atual modelo econômico que vivemos altamente dependente do conceito de “propriedade intelectual”, a empresa DC pode sim aproveitar e reaproveitar seu personagem como queira. Vai ter muito nerd que – caso leia esse post – vai fazer mimimi e se comportar feito poodle de madame, mas a verdade é essa. Não quer dizer, necessariamente, que devemos gostar ou não. Feito esse “passeio” pelas premissas de reincorporação de John Constantine ao Universo DC, o que dizer?

Me surpreendi positivamente. Essa surpresa se deve, claro, a (s) excelente (s) equipes criativas responsáveis pelo título “Liga da Justiça Sombria” onde Constantine, especialmente, é trabalhado como personagem. E, fundamentalmente, os escritores Peter Milligan e (nesta última edição) Jeff Lemire. Os dois conseguiram a proeza de “trazer” Constantine e toda a sua realidade de anti-herói (realidade suja e mequetrefe, como já disse) ao universo DC, sem descaracteriza-lo. Até o hábito nada saudável de fumar, os escritores (e seus editores responsaveis) mantiveram. Seu estilo “solitário, mas doido por um xamego”, sua capacidade egoísta de burlar regras para atingir um (pseudo) bem maior e dificuldade de se relacionar além, claro, da habilidade de mago poderoso do Universo DC. Tudo isso se encontra na revista da “Liga da Justiça Sombria”, em todos seus números. É claro, também, que esse Constantine – enquanto personagem – foi retrabalhado pelos autores para soar “natural” nesse Universo DC, sem todavia perder em nada sua canastrice. Confesso, até, que me empolguei bastante em ver sua interação com Zatanna.

John Constantine é John Constantine, seja na Vertigo ou no tradicional e renovado Universo DC New 52.  A revista “Liga da Justiça Sombria” é uma das melhores HQ’s dessa leva DC New 52 e recomendo fortemente aos leitores e leitoras do Cabaré das Ideias que acompanhem essa nova jornada de um dos personagens mais queridos d@s leitores e leitoras de HQ’s.  Caso se interesse, escrevi um post para o site parceiro Ao Sugo sobre o bom e escroto John Constantine em sua melhor história (para mim): más companhias, hábitos perigosos. Para ler essa patifaria, basta clicar aqui.

Anúncios

5 pensamentos sobre “John Constantine e o DC New 52: a mesma escrotice de sempre?

  1. Eu não sabia que Constantine era da DC Comics.Até que gostei de saber;não é uma coisa ruim só porque ele enfrenta seres sobrenaturais.

    Curtir

  2. eu li. com a mente completamente aberta ao novo quadrinho, li realmente com esperança de ser algo bom. mas me decepcionei com toda minha força. a nova HQ constantine é simplesmente ridícula, sem emoção com personagens robóticos e mal desenvolvidos, uma historia sem pé nem cabeça, e uma arte bem mais ou menos. tudo acontece tão rápido em sem ênfase na HQ q seu cérebro não tem tempo pra pensar no q havia acontecido. não leiam aquela merda.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s