Realidade Overpower

Na Cidade do México: Mercado de La Merced y Café Bagdad

Primeira semana no México e tratei de fazer duas coisas obrigatórias neste momento de meu mochilão acadêmico: conhecer ao máximo da Cidade do México e também continuar a escrever minha tese de doutorado. Quanto a última, menos emocionante, mas não menos importante, entretanto, para o Cabaré das Ideias: en México, vou me ater apenas a primeira parte – o turismão mesmo!

No Poliarquias, blog sério de meu alter ego Diego de Freitas Rodrigues, escreverei – ainda – sobre o impacto – em minha tese de doutorado – da minha visita a Teotihuacan, especialmente quanto a um fator: mudanças climáticas e seu impacto social, ambiental e econômico que pode desencadear o colapso de uma civilização. Teotihuacan, definitivamente, fez meu alter ego se empolgar deveras com seu objeto de pesquisa.

Mas e quanto ao DF (Ciudad de México)?

É uma cidade interessantíssima. Muito mais organizada do que eu esperava, inclusive. Seu centro histórico (ou como disse o guia que me levou às pirâmides de Teotihuacan, “centro histérico”) é permeado de historicidade. Não estou brincando. Todas as calles (ruas) possuem aquele ar secular (e com toda a razão), mas na maior parte das vezes, todos os centros históricos são para turista ver. Estou hospedado num hostel ao lado da Catedral e extremamente próximo ao (estação) Metro Zocalo – localização melhor não há!

E por falar em (estação) Metro Zocalo, há entre esta estação de Metrô e a Estação Pino Suárez uma interessante galeria de livraria que conecta uma estação à outra. Fantástico! Aproveitei para comprar um livro de H. P. Lovecraft em espanhol para ir ajudando um pouco mais minha compreensão da língua.

Mas meu objetivo mesmo era conhecer, no Mercado de La Merced um café cujo sugestivo nome é “Café Bagdad”. Então aproveitei este sábado para ir conhecer o Mercado de La Merced e tomar um café, com grãos de Yucatán, no Café Bagdad. Não foi difícil chegar até o Mercado de La Merced, pois o metrô da Cidade do México é muito organizado em sua capacidade de informação. E, para meu espanto e maravilha, o Mercado de La Merced é colado a estação de metrô!

Mas meu verdadeiro espanto foi o que havia dentro do Mercado: pimentas!!! muitas e muitas e gigantescas pimentas!!! Fiquei emocionado e com vontade de comprar todas as variedades possíveis, mas consegui me conter. O Mercado de La Merced me lembrou muito os mercados de São José no Recife, mas muito maior e com uma diversidade de produtos maior também.

O paraíso para admiradores de pimentas.

Próximo ao Mercado de La Merced, enquanto partia na direção do Bagdad Café localizado à Plaza de la Aguilita, encontrei um “altar” à Santa Muerte. Não resisti e fui tirar uma fotografia. E realmente é impressionante, do ponto de vista imagético, a veneração.

Quanto ao Café Bagdad, bom, era o que esperava mesmo. Um lugar simples, sem aquele clima de cafés chiques que existem em São Paulo ou Buenos Aires. O Café Bagdad é um café tradicional realmente. Ambiente simples e o sabor do café é deveras forte – para alívio de meu paladar que não aceita “chafé”. Sr. Hernández me disse que os grãos que utiliza para seu café são mexicanos, vindos da região de Yucatán, o que me despertou o interesse em conhecer mais um pouco dessa produção cafeeira mexicana.

Com tanto por conhecer, fico feliz de saber que esta é a primeira semana de minha estada de 3 meses no México!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s