Realidade Overpower

Mercado Imobiliário e Assombrações: manual introdutório de sobrevivência

E o Corretor nem avisa que a casa era assombrada…

Outro dia escutei um monólogo num bar. Foi mais ou menos assim que o sujeito dizia para o outro: “tô muito a fim de fazer um curso para corretor de imóveis. Esse negócio de Minha Casa, Minha Vida tá dando muito dinheiro.” Daí pensei cá com meus botões: o cara deve tá certo mesmo. Mercado imobiliário em franca expansão, você abre o jornal Folha de São Paulo e só vê anúncio de residencial X e depois residencial Y, 3, 4 5 quartos, etc e etc. Gente construindo para cá, gente construindo para lá. Cada vez que viajo para o Recife e vou a Boa Viagem vejo um prédio novo erguido ou pra ser erguido. Realmente o cara do monólogo no bar tinha lá suas razões e esperanças de abocanhar um pedacinho desse bolo. Mas aí veio outra questão: e as casas antigas? É, aquelas casas que não são derrubadas para se somarem a outras e de onde estavam se tornarem um grande condomínio vertical?

Pois é, realmente é o melhor do mundos para quem quer trabalhar com mercado imobiliário.

Mas dai fiquei pensando naquela galera mais quebrada, que não conseguiu financiamento para uma casa nova ou um belo apê novo cheirando ainda o suor dos pedreiros, serventes e oreias que trabalharam e muito para gerar aquele luxo só. Pois é. E quem precisa de casa e só consegue financiar uma casa já aí “no mercado” tem um bom tempo? Pois é. A pessoa pode até juntar essa grana e comprar a vista ou pode financiar, até alugar.É bom demais poder “chegar em casa”. Sensação única. Mas a questão desse post não é só sobre o prazer de comprar a casa (ainda que antiga) e torná-la o lar, doce lar.Este post é de natureza um tanto quanto mais metafísica. Para não dizer assombrosa.Casa antiga, problemas antigos, já diria o Filósofo. E, neste caso, não estou me referindo a encanamentos. A ideia de casas assombradas povoa  a mente de muitas pessoas. Livros e Filmes sobre casas assombradas existem “de quilo” em Róliudi. Dois clássicos sobre casas assombradas me surgem de imediato à mente: O Iluminado (livro de Stephen King e filme dirigido magistralmente por Stanley Kubrick) e Horror em Amityville. São histórias sobre o tradicional esquema: “família se muda para casa devido a necessidade de emprego na região”. São relativamente felizes no início e daí começam a surgir os “pobrema” fantasmagóricos, com menor ou maior intensidade, variando de caso. Este é bem um resumão do que acontece nos filmes que citei. Mas o Discovery Channel apresenta, às quartas feiras – 23:00, um programa chamado Assombrações. Segundo o programa, todos os depoimentos que guiam os “episódios” são baseados em fatos reais. É isso mesmo, gente de verdade que teria passado por algumas merdas vão à TV e dizem como foi essa experiência, traumática na maior parte das vezes.

 

Desconfie...

Assisto esse programa da Discovery Channel tem uns cinco anos. Em geral não perco nenhum episódio. Alguns me causam indiferença (fácil, não estava na pele destes infelizes), mas outros fico muito, mas muito ressabiado. Dai hoje, nesta quarta feira 22 de Fevereiro de 2011 assisto mais um programa Assombrações e o que ocorre? É, mais um episódio em que família compra casa com um preço menor, muda-se e daí começam os “pobrema”. Fiquei pensando: será que não existe um guia de orientação para pessoas interessadas em comprar casas, que possa, por algum acaso perverso do destino, dar dicas sobre, caso compra realizada, o que fazer com uma casa assombrada?

Andei revirando sites gringos e não encontrei nada. Bom, então vamos lá. Vamos mostrar mais ou menos o caminho menos danoso para a aquisição de uma casa antiga, por acaso assombrada, e o que fazer numa situação, diria o Filósofo, cabulosa.

Passo 1: A Casa (não assombrada) dos Sonhos

 

Imagem bem cretina que representa a porta de entrada da especulação imobiliária: o verdadeiro portal das assombrações em forma de dívidas

Vai comprar a vista ou vai financiar? Independente das duas, é preciso que você faça uma varredura de preço de mercado pelo tipo de casa que pretende comprar. Feito isso, separe aquelas que mais lhe interessam. Sigo os critérios básicos: região, proximidade do trabalho, estrutura do bairro com escolas, supermercado, farmácia, transporte coletivo, etc. Veja as casas que mais lhe interessaram com calma. Se é um casal ainda sem filhos, escolha ao menos dois quartos, né? vai saber se não aparece mais alguém por aí né, para juntar forças a essa família muito feliz…por enquanto. Se você é uma pessoa precavida, já terá sondado entre os vizinhos a história da casa. Se a rotatividade de moradores naquela casa era alta, se havia algum tipo de distúrbio elétrico na casa (é isso mesmo, apaga e acende luzes, se foi boate o lugar então não vale…rs..) ou se alguma tragédia se abateu ali com alguma pessoa ranzinza e detestada pelos vizinhos. Em último caso tente sondar se algum morador da casa comentou algo sobre fantasmas e etc. Essa última questão só deve ser lançada se a sua dúvida for realmente muito pertinente.

 

Já diria o Filósofo: “cachorro mordido por cobra, tem medo de linguiça”

Mas caso não faça nada disto que foi sugerido e vá comprando a casa pela simples e prazerosa emoção de ter seu lar, doce, lar, vamos ao Passo 2.

Passo 2: O Pesadelo da Casa Própria

 

Evite sempre que puder escadarias. Assombrações tem uma tendência grande de apreciar escadarias. Vai que você encontra uma figura dessas pelo caminho…

Problemas sérios estão te tirando o sono. E estes problemas não são apenas as contas que chegam do cartão de crédito e do telefone. Mas barulhos estranhos que vem aumentando significativamente. Também uma sensação horrorosa de que sempre tem alguém te observando na casa. Uma coisa que pode acontecer é seus objetos desaparecerem. E objetos importantes. No caso, tente não culpar sua esposa/marido ou filhos de imediato. Tente correlacionar os estranhos barulhos e sensações ruins com o desaparecimento de objetos importantes. Contabilize quantas pessoas na casa estão com o mesmo problema. Quanto mais casos de insônia e brigas, pior a tendência da coisa ficar. E os barulhos estranhos continuam. Nem adianta pensar que um revólver vai ajudar em algo, vai é piorar. Um sabre de luz pode ajudar, caso você seja nerd. Agora se você começar a ver sombras se moverem pela casa, reze para que seja uma alucinação devido aos efeitos de poucas noites sem dormir. Por que caso não for, é bom prestar bastante atenção no Passo 3.

Passo 3: Ah, que saudade do aluguel…

 

Tenso, né?

Se lhe fosse apresentada uma escala de 1 a 5 de nível de stress você seguramente indicaria o número 6, mesmo que ele não esteja nessa escala hipotética de merda. O desespero se tornou geral. Você nem sabe mais o que é dormir. Além de não dormir, impede que outras pessoas da casa também durmam. A produtividade no trabalho está baixissíma e você já chama a atenção da diretoria e de maneira ruim. Voltar para casa é um desânimo que só. Caso tenha crianças na casa, elas podem já alerta-lo (a) que “alguma coisa as machuca a noite”. Você começa a ficar mais desesperado ainda. Apenas seis meses na casa e tudo isso de dor de cabeça. E a coisa pode ficar pior. Você é um homem ou uma mulher de fé? Se a resposta for sim, pode até ajudar um pouco. E não precisa professar uma fé cristã. Pode ser judeu, budista, muçulmano, etc. Agora se você for ateu ou atoa, a conversa é outra. Não porque você precisa acreditar em alguma entidade metafísica para dar suporte, mas sim pelo fato de que não acreditar em nada a não ser nos juros de mercado pode não ajudar muito nestas horas.

 

Ilustração para Segunda Lei Da Termodinâmica. Ok! Mas não ajuda muito nessas horas…

Independentemente do que quer que seja esse “algo” quem vem lhe assombrando e sua família ele é energia. Energia não de destrói. De certa forma, essa parte da conversa sobre Lei da Termodinâmica pode ser bem desanimadora. E acho que é.

Voltemos a parte religiosa e, pasmem, científica da coisa. Procure algum tipo de pessoa religiosa para te ajudar a superar a coisa toda. Não espere que ela vá resolver os “pobrema”. Ela vai te dar apoio com a fé dela. Cuidado com picaretas, principalmente se vierem pedir algum tipo de dízimo para auxiiar na expansão, por exemplo, da Frente Evangélica Contra Assombrações no Mercado Imobiliário. Tente encontrar algum especialista em ParaPsicologia. A ParaPsicologia é o campo científico que busca explicar a natureza dos fenômenos extra-sensoriais e afins. Em geral, tem gente séria, mas assim como tem de ficar com um pé atras com picareta religioso, fique também com picareta “científico” que só quer extrair dinheiro, mas morre de medo de passar uma semana sozinho na casa para poder livrá-la das assombrações. Procure saber, de qualquer forma, se a casa está sendo assombrada por fantasmas humanos ou demônios. Se for assombrada por estes últimos sugiro fortemente que procure um “Padre Merrin” da vida, porque, já diria o Filósofo, “o bicho vai pegar”.

 

Padre Merrin foi Aroeira. Putz! Combater o velho Pazuzu de guerra com aquela cara de mal amado não deve ter sido moleza!

Um exorcista, realmente, vem bem a calhar nessas horas. O problema é que, pelo que sondei, o número de exorcistas no mercado anda muito abaixo da taxa de renovação de casa assombradas. Essa Lei da Oferta e da Demanda existe até no mundo assombrado. Caso consiga um exorcista sério, provavelmente ele vai tentar saber se existe alguém possuído(a) ou fortemente influenciado (a) na família. Reze de pé junto para que não tenha. O exorcismo vai ser barra pesada. Casa lacrada para visitantes, muito latim (se for padre católico, hebraico se for rabino ou árabe se for um imã, evangélico vai de português mesmo, ainda mais se for neopentecostal). O exorcismo pode levar horas ou dias. O melhor é ter paciência. Tire férias neste período do trabalho, não vai ser nada bacana você não convidar ninguém do trabalho para aquele churrasco de fim de semana porque tem um padre rezando em latim e combatendo um demônio no seu quarto ou na sala de jantar.

Agora se você for ateu e nem acreditar que exista alguma coisa assombrando sua casa, mesmo que sombras passem a sua frente, você seja empurrado de uma escada, acorde sendo sufocado enquanto dorme ou comece a achar natural andar com uma faca de churrasco pela casa e ver com certa naturalidade fatiar esposa (ou o contrário) e filhos e filhas, acho que a melhor saída é voltar para o aluguel. Se possível daquela antiga casa que havia desocupado.

Para ilustrar melhor alguns desses cenários hipotéticos, alguns vídeos do “Assombrações” do Discovery Channel.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s